sexta-feira, 2 de julho de 2010

De cara limpa

iamamiwhoami
iamamiwhoami, t

Acabou (não, não estou falando da Copa do mundo para a seleção brasileira). Chegou ao fim o sigilo da loira misteriosa do Youtube que povoou a curiosidade de muita gente por ai. Para você que não sabe do que se trata, o Pixelóide faz um recapitula.

Tudo começou em janeiro desse ano, quando um perfil de nome iamamiwhoami começou a postar clipes super produzidos mas repletos de cenas obscuras e macabras, aparantemente sem muito sentido lógico. A partir dai, as especulações sobre a possível identidade da cantora protagonista dos vídeos se iniciaram. Christina Aguilera e Lykke Li eram os nomes mais sugeridos, mas passaram longe. Enquanto isso, outros virais eram postados. Foram seis ao total, em formato pílulas de, no máximo, 1 minuto e 15 segundos. Os títulos de cada vídeo eram tão igualmente estranhos quanto o conteúdo das imagens e assemelhavam-se a enigmas compostos por letras e números.

9.20.19.13.5.723378 foi o terceiro vídeo da série.

Até que em março, na mesma conta, foi lançado b, (o Pixelóide comentou na ocasião) um clipe mais longo e com vocal mais bem definido da artista. b revelou pouco, mas abriu caminho para que os próximos cinco vídeos seguissem um fórmula similar, mostrando cada vez mais quem era a moça por trás de tanta bizarrice bem feita.

Essa semana, mais precisamente no último dia 30, o 12º vídeo da série foi marcante. Pela primeira vez, a dona da voz cheia de efeitos eletrônicos mostrou seu rosto sem tantas interferências de maquiagem e/ou figurino e confirmou o que muitos já desconfiavam: Jonna Lee, cantora sueca sem muita visibilidade no pop mundial, é a dona da cabeleira de iamamiwhoami. Só a critério de comparação, olha o vídeo que o Pixelóide encontrou da fase mais "convencional" da artista:


My High é de 2009 e mostra uma Jonna Lee saltitante e pop. Bem diferente de t, publicado dias atrás no Youtube. O clipe é o mais bonito dos produzidos pela campanha iamamiwhoami e tem uma fotografia absurdamente linda. Mas se engana quem acha que Jonna Lee está menos excêntrica do que nas demais gravações. Sequências nonsense permanecem mesmo com a loira de cara limpa. No final de tudo, o projeto viral foi como um processo de metamorfose na carreia de Jonna, que tem dois discos e um Ep já lançados. A própria evolução dos vídeos sugere essa transformação. Agora é aguardar o próximo passo desse case inédito que mesclou boa utilização da internet com um excepcional conteúdo audiovisual.


Para ver todos os vídeos de iamamiwhoami, clique aqui.

nota 7

2 comentários:

Natália disse...

A maior parte das coisas boas do mundo vem da Suécia. Fato.

oconrado.bh@terra.com.br disse...

ESSES NORDICOS SAO MESMO MUITO BIZARROS.
CLIPE BEM LEGAL ESSE E TODOS OS MISTERIOSOS ANTERIORES.
E' A INTERNET A SERVIÇO DO ESTRANHO...

Postar um comentário